Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Dor de amor!

Ela realmente  existe  !


Comparando as nossas dores


Dor de amor é igual à dor física para o cérebro 

Quem já passou por uma decepção ou perda e ficou com o “coração partido” sabe como a dor pode ser intensa. Na tentativa de explicar porque as dores de causa emocionais em algumas pessoas são tão fortes quanto as dores físicas, cientistas norte-americanos analisaram 40 homens e mulheres que haviam passado por uma decepção amorosa nos últimos seis meses e concluiu que essas pessoas sentiram-se profundamente rejeitadas. Segundo os pesquisadores, as áreas do cérebro acionadas pela dor emocional são as mesmas que funcionam durante uma dor de causa física. Para quantificar essa dor, os voluntários foram submetidos a ressonâncias magnéticas após receber um estimulo doloroso no braço e ao ver uma foto do ex-parceiro e relembrar como se sentiram rejeitados no momento da ruptura. Os resultados mostraram que tanto o córtex somatosensorial secundária quanto a ínsula dorsal posterior se tornam ativos quando as pessoas experimentam sensações dolorosas. O estudo está publicado na revista Proceedings, da National Academy of Sciences.



Foto: http://bellesadelalluna.blogspot.com/2010_11_01_archive.html



Dor de amor realmente existe?

Para quem já derramou muitas lágrimas após o término de um relacionamento ou já passou por pelo menos uma grande decepção amorosa a pergunta a cima é fácil de ser respondida. "Amor, quando não correspondido, dói, e dói muito", afirma a estudante Caroline Aranha, que assim como outras tantas adolescentes fala sobre suas decepções amorosas em uma das comunidades sobre o assunto da rede social Orkut. Mas a questão é, será que patologicamente não existe mesmo uma dor resultante dos problemas relacionados a esse sentimento tão intenso que é o amor? 


Segundo a médica e diretora da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, Fabíola Peixoto Minson, dor de amor existe. "O sentimento de tristeza profunda gera dor física, que leva ao sofrimento psicológico. Este, por sua vez leva a dor em um círculo vicioso". A médica ainda alerta para o fato de que é preciso considerar a dor como algo extremamente importante, "já que ela é a causa e não um sintoma de um problema", disse. 


Para a psicóloga Sofia Morais, a dor também é considerada como uma patologia, e como toda doença é possível de ser tratada. "Compartilhar as experiências vividas com outras pessoas, mesmo que seja virtualmente, é uma ótima maneira de organizar os pensamentos e, conseqüentemente, as dúvidas e conflitos que a pessoa traz dentro de si", afirmou. 


Já a terapeuta Thais Accioly propõe outra solução. "O amor em si não dói, é cura e equilibra. O que causa dor é o final de um relacionamento ou a não realização de um sonho, ou ainda, o orgulho ferido e a decepção, portanto, na causa está a própria cura. É através do amor que podemos curar essa dor", disse. 


Nas adversidades...
Obviamente tomamos atitudes erradas,
Impulsivas
 As vezes impulsionanadas pela desorientação mental
 Que os rivas das vidas nos leva, que acaba nos causando muita Dor...Vergonha...Pertubação...
Não foi dessa...
Mas...um dia ela vai chegar espero que não demore...
Essa  Paz tão desejada,almejda e tão demorada...
Que não seja causada pela Dor  e muito menos pelo Amor...
Apenas aconteça...
E que Deus nos abençoe com ou sem RIVAS.
(elianecosta)

A dor é a causa e não um sintoma, é preciso levá-la a sério





Para quem já derramou muitas lágrimas após o término de um relacionamento ou já passou por pelo menos uma grande decepção amorosa a pergunta a cima é fácil de ser respondida. “Amor, quando não correspondido, dói, e dói muito”, afirma a estudante Caroline Aranha, que assim como outras tantas adolescentes fala sobre suas decepções amorosas em uma das comunidades sobre o assunto da rede social Orkut. Mas a questão é, será que patologicamente não existe mesmo uma dor resultante dos problemas relacionados a esse sentimento tão intenso que é o amor?


Segundo a médica e diretora da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, Fabíola Peixoto Minson, dor de amor existe. “O sentimento de tristeza profunda gera dor física, que leva ao sofrimento psicológico. Este, por sua vez leva a dor em um círculo vicioso”. A médica ainda alerta para o fato de que é preciso considerar a dor como algo extremamente importante, “já que ela é a causa e não um sintoma de um problema”, disse.


Para a psicóloga Sofia Morais, a dor também é considerada como uma patologia, e como toda doença é possível de ser tratada. “Compartilhar as experiências vividas com outras pessoas, mesmo que seja virtualmente, é uma ótima maneira de organizar os pensamentos e, consequentemente, as dúvidas e conflitos que a pessoa traz dentro de si”, afirmou.


Já a terapeuta Thais Accioly propõe outra solução. “O amor em si não dói, é cura e equilibra. O que causa dor é o final de um relacionamento ou a não realização de um sonho, ou ainda, o orgulho ferido e a decepção, portanto, na causa está a própria cura. É através do amor que podemos curar essa dor”, disse.


Vi no blog : Dona Giraffa 

Nenhum comentário:

Postar um comentário