Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A PERDA DA INOCÊNCIA
(ao meu pai Euclydes R. da Cunha Neto)

Eu vi uma pássaro cantando no túmulo de um pai.
Vi as lágrimas de uma mulher e a inocência de uma criança.
Eu vi a amargura de uma mãe no fim do mês.
Vi a panela vazia no fogão e a "sujeira" debaixo do tapete.

Também vi a filha de alguém sozinha na multidão,
não pedia nada a ninguém... apenas estava lá.
Observei pessoas passando indiferentes,
apressadas, não viam ninguém... apenas passavam.

Eu vi a perda da inocência.
Vi as promessas de um político e a incredulidade de um povo.
Observei a fome brindando nas esquinas
e a ambição escravizando o coração do tolo.

Eu vi o círculo fechando,
as cenas se encontrando,
a vida repetindo...

Eu vi...

Vi uma menina crescendo,
uma senhora me olhando...
Eu vi a minha imagem no espelho!

Janaína da Cunha
Novembro / 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário